• 18 de setembro, 2018

Inovação ou fracasso!

Quem estuda ou ao menos presta atenção nas mudanças do mercado pode facilmente perceber que a competitividade vem aumentando desde sempre mas principalmente nas últimas décadas. As empresas que antes conseguiam chegar ao topo não precisavam fazer muito para se manter e as empresas que traziam coisas novas rapidamente ganhavam foco e sucesso.

Mas nos últimos anos inovar não é mais um diferencial. Em um mercado extremamente competitivo, quem não traz novas soluções e pensamento diferenciado não fica na mesma, e sim, fica para trás.

Para ilustrar esse ponto e deixá-lo ainda mais óbvio, vamos dar uma olhada em 4 empresas, antes líderes de mercado, que ficaram para trás por não inovar:

MySpace

Um exemplo clássico da era digital é a, antes bem popular, rede social My Space. Antes mesmo do facebook existir, o MySpace quebrou padrões criando um ambiente social aonde as pessoas podiam se sentir conectadas a outras ao redor do mundo via internet. Porém, muito popular e praticamente a única gigante do seu tipo no mercado, a plataforma estagnou.

Alguns usuários já reclamavam de algumas funções que a plataforma não tinha e de alguns erros que precisavam ser corrigidos mas parece que não fez muita diferença. Então, quando o facebook entrou em cena pouco tempo depois, com funcionalidade diferenciadas, atenção para usabilidade e um grande investimento em estar sempre inovando e atualizado, não precisou de muito para que o MySpace ficasse pra trás. Foi vendido pouco tempo depois para uma grande empresa mas desapareceu e o facebook continuou crescendo, chegando a valer US$ 400 bilhões e ser uma das maiores plataformas online da atualidade.

Blockbuster

Poucas pessoas ao redor do mundo nunca ouviram falar ou até foram usuárias da locadora Blockbuster. Talvez esse seja um dos cases mais comentados em relação a inovação. Quem não lembra da época em que era necessário sair de casa e ir até uma locadora de filmes caso quisesse assistir algo que não estava na TV.

Bom, essa era ficou pra trás com a chegada das plataformas de streaming e vendas e locações de filmes online e as empresas que não souberam se adaptar ficaram pra trás. E ninguém estava imune a isso, nem mesmo a gigante do setor, Blockbuster.

E o pior, que muitos não sabem, é que a grande empresa teve a chance de comprar a atual líder de mercado Netflix (que era na época uma empresa de delivery de dvds) em 2000 mas deixou essa oportunidade passar. Em 2013 a empresa oficialmente faliu.

Blackberry

Outra empresa de sucesso e por um tempo sonho de consumo de muita gente que passou por isso foi a Blackberry. Durante seus anos de glória, a marca tinha seus produtos organicamente inseridos em filmes e séries, era usada por consumidores da classe A e era referência no mercado. A companhia chegou a ter mais de 50% do mercado de celulares nos Estados Unidos, em 2007

Mas com o lançamento do primeiro IPhone, em junho de 2007, houve uma revolução no mercado de smartphones. A Blackberry optou por ignorar as inovações que estavam sendo trazidas ao mercado, como o touch-screen, e continuar fazendo o que sempre fez com confiança de que seria suficiente para lhe manter no topo, especialmente no mercado empresarial.

Porém a Apple passou a dominar o mercado de pessoas físicas e invadir o território da antiga dominante com o BYOD (Bring Your Own Device, traga seu próprio aparelho). O mercado continuo mudando e a Blackberry foi ficando para trás, perdendo grande parte de seu market share. A empresa faliu e hoje tenta se redefinir lentamente, com aparelhos de sistema operacional Android.

Kodak

Na década de 1970, a Kodak chegou a ser dona de 80% da venda de câmeras e 90% de filmes fotográficos, mas acabou caindo no erro da falta de inovação. Até hoje, poucos não ouviram falar ou já foram clientes da Kodak.

É triste pensar que ela mesmo cavou sua cova, em um certo sentido. Nos anos 70 a própria Kodak lançou a câmera digital, na época, inovação não era um problema para eles, e foram um dos líderes de mercado nessa área. Mas com medo de canibalismo de mercado em relação a venda de filmes, eles não investiram mais na evolução ou até na promoção dessa tecnologia. Quando o mercado evoluiu sozinho, colocando a fotografia digital em foco, ela até tentou acompanhar mas já era tarde e acabou ficando pra trás. Foram a falência em 2012 e até podem estar tentando voltar a fama mas com o mercado de fotografia cada vez difícil, é improvável que cheguem a seus dias de glória novamente.

Mariana Hilario

Mariana Hilario